domingo, 2 de agosto de 2015

E AGORA ROSINHA GAROTINHO?

Do facebook de Ranulfo Vidigal:

A GESTÃO FISCAL DE CAMPOS – JANEIRO/ABRIL 2015, conforme Balanço assinado pela Prefeita em 16/07/2015 e republicado em 31/07/2015 no D.O. da página 13, até a página 33.
1. Nos 12 meses encerrados em abril a folha, com pessoal ativo, inativos e terceirizados custou 951,7 milhões (dos quais 43 milhões ainda com servidores terceirizados) atingindo quase o limite de alerta definido pela Lei de Responsabilidade Fiscal que é de 48,6%. Acendendo a luz amarela com a perspectiva de retração provável da arrecadação, pela queda contínua na cotação e produção do petróleo e pela recessão nacional/local gerando quase 1500 desempregados no município (CAGED/janeiro-junho). Riscos de novas demissões no caminho!
2. Total da Dívida consolidada da PMCG = 566 milhões (sendo 37,3 milhões com FGTS).
3. Preocupante: a PMCG já gastou, até abril, do orçamento da saúde 211 milhões em Atenção Básica, Assistência Hospitalar, etc. No ritmo que vai teremos um déficit na saúde de mais de 100 milhões até dezembro, apesar da baixa qualidade dos serviços reclamados pela população, bem como pela precária resolutividade.
4. Na Cultura há uma dívida com fornecedores e serviços da ordem de 2 milhões de reais. 
5. Deve ainda, da antecipação da PE do petróleo feita em dezembro a ser paga em fevereiro de 2016, cerca de R$160 milhões. Nesse quadro endividar em dólar é furada.
6. O comportamento da arrecadação reflete a crise geral. As receitas primárias correntes caíram 20% (nominal) e 30% real, ou seja, computando a inflação do período.
7. A Receita de IPTU, apesar da alta no valor dos carnês aprovados pela Câmara, em cerca de 30%, apresentou um aumento nominal de apenas 18% revelando alta inadimplência. Um verdadeiro “tiro no pé”.
8. O setor de serviços responde por metade da economia da cidade. O ISS pago por cinemas, restaurantes, médicos, clinicas, escolas particulares, profissionais liberais, empresas de ônibus, construção civil - caiu 12% (nominal) e 20% real revelando a recessão no setor. Um dos que mais emprega na cidade.
9. O ITBI que reflete o movimento dos negócios de compra e venda de imóveis caiu 27% em termos nominais revelando o tamanho do tombo nesse segmento empregador.
10. O ICMS - que é recolhido na indústria, comércio, combustíveis, energia e serviços - caiu 16%. Parte da queda se deve a perda de posição da cidade no ranking estadual do IVA.
11. A indenização do petróleo caiu 25% (33% em termos reais).
12. A despesa com pessoal manteve-se estável no período janeiro abril – 2014/2015.
13. O custeio da máquina caiu 28%, em termos nominas.
14. O gasto com obras caiu 53%. Tudo parado. Reduzir investimento é cortar o futuro.
15. O resultado nominal revelado pelo balanço para o período= déficit de 117,6 milhões!!
16. Resumo da ópera: o que já está ruim ainda pode piorar. Vale então o ditado popular: “Quando a maré baixa é que se sabe quem nadava nu”!!!!
“Governa por meio de decretos, disciplina por meio de castigos e o povo usará subterfúgios e não terá consciência. Guia-o pela virtude e pela moral e ele terá consciência e alcançará o bem”. (Confúcio)
O que é velho está a morrer, o que é novo ( o diferente) luta por nascer e no interregno há muitos sintomas mórbidos. O que vier a seguir depende de nós. (Gramsci)

DO BLOGUEIRO:

a verdade é que os Garotinhos sabem que precisam cortar mais gastos. Mas..., como ano que vem tem eleição, não querem se desgastar mais, e mais, e mais, com a população. Buscam o caminho mais fácil para a perpetuação no poder, ou seja: mais endividamento, mais políticas compensatórias, mais populismo. E para eles "que se danem as futuras gerações" para pagar as contas.

Até quando?

Nenhum comentário: