sábado, 15 de junho de 2013

"Quem não reagiu está vivo"

Violênciapm ninja

A ignorância de quem não consegue associar os protestos em SP a séculos de agressões à vida pública é tão violenta quanto as balas e as bombas de gás lacrimogêneo

 Leia o excelente texto de Matheus Pichonelli  aqui publicado pela Carta Capital

4 comentários:

Valéria Mattos disse...

RAZÕES

Pois,
Desculpem-me com sinceridade todos os profissionais de mídia, leio e ouço todos que posso, e descobri que jornalistas, repórteres e formadores de opiniões são como animais de estimação.
Há os que gostam de cães, há os que gostam de gatos, há quem goste de cães e gatos, e há um grupo que gosta de animais exóticos.
Há os que descrevem fielmente suas ideias como cães que defendem suas famílias.
Há os que descrevem apenas o momento em que vivem, mas trocam de famílias se lhes proporcionam um viver mais tranquilo, como os gatos.
Há os que defenderam ideias diversas daquelas que defendem hoje, as primeiras como cães, as de hoje como gatos.
E finalmente os exóticos, que escrevem nada, conteúdos vazios.
Qualquer período político no Brasil é e sempre será uma Ditadura de colarinho branco, terno Armani, e gravatas italianas feitas à mão. Foi assim no Império, foi na proclamação da República, foi no período Vargas, Juscelino, militar e assim por diante até os dias de hoje.
O povo está acostumado ao assistencialismo.
Os corruptos estão acostumados a distribuírem migalhas.
O "toma lá dá cá" é uma filosofia política de escárnio, o "direito dos manos" é a injustiça dos justos.
Os protestos de hoje são os mesmos que se faziam no império, nas ditas repúblicas, nas ditas ditaduras, e até na revolução Farroupilha.
Em 2000 as passagens custavam centavos, hoje custam reais, e é claro que isso é um absurdo com uma inflação de 64% em 12 anos.
Esses protestos escondem muito mais que 20 centavos.

Eu vejo uma coisa insólita nesse processo, são comunistas lutando contra comunistas, é o desespero total do socialismo barato.

Se o tal protesto fosse em CUBA, muitos estariam encubados debaixo dos sete palmos como indigentes.
A disputa é dos partidos nanicos, contra os partidos de elite, e quem apanha é o povo manipulado por eles.

Depredar o patrimônio público ou privado, todos sabem que nós pagamos as contas.
Quem pagará as contas das bancas de revistas, das carrocinhas de cachorro quente, das bancas dos ambulantes autorizados que foram destruídas? É imbecil e cruel atacar uma franquia só por causa do nome.

Eu acho a polícia militar brasileira despreparada, porque um caminhão do corpo de bombeiros, apagaria aquele fogo todo com jatos de água fria, fugiriam do banho forçado porque são sujos.
Sugiro aos governos estaduais chamarem-nos para dissipar protestos.
Nos grandes comícios das "diretas já" não quebrou-se nada esse é o estado de direito.
Esses protestos tem um lado bom, o lado patriótico, mas tem o lado ruim, as alianças socialistas.

CARRO GERENCIADOR DE CRISES MODERNO:
- ISSO É SUECO, muito distante de nossas realidade.
Baderneiros fogem do banho como diabo da cruz.

http://grandeprojetobrasil.blogspot.com.br/2013/06/razoes.html

Alberto Souza Filho disse...

PT ESTÁ SE LIXANDO PARA O POVO – ALVO DOS PROTESTOS NÃO É O AUMENTO DAS PASSAGENS
ATENÇÃO! PT VAI ENTRAR DE CABEÇA NA PANTOMIMA! APARELHOS DO PARTIDO DOS TRABALHADORES E ESTUDANTES ESTÃO LIBERADOS PARA IR ÀS RUAS NA SEGUNDA: A ORDEM É NÃO TOCAR NO VALOR DA TARIFA E SE MANIFESTAR CONTRA A PM E CONTRA ALCKMIN. MILHÕES DE PESSOAS SÃO VÍTIMAS DE UMA TRAMOIA ELEITORAL
Reinaldo Azevedo

Isto é uma informação, não uma interpretação. O PT liberou a tigrada para ir às ruas na segunda-feira. Os sindicatos de trabalhadores e estudantes dominados pelo partido estão sendo convocados a participar do que pretendem que seja uma megamanifestação, aí não mais contra a tarifa de ônibus, mas contra a Polícia Militar e contra o governo de São Paulo.

A ordem, aliás, é focar o menos possível no valor da passagem de ônibus.

Por óbvio, a questão pode arranhar a imagem de Fernando Haddad. Os petistas estão vendo na questão uma chance de ouro de realizar uma dupla operação:
a: diluir o mal-estar com a elevação da tarifa;
b: mudar definitivamente o sentido dos protestos.

O movimento é organizado, veio de cima. O próprio Haddad saiu na frente. Foi a primeira autoridade petista, já na noite de ontem, a criticar “a violência” da polícia. Ele o fez depois de conversar com a cúpula partidária. Gilberto Carvalho — que comanda a pasta que, na prática, “organiza” os índios — está sabendo de tudo. É ele quem faz a interlocução com os movimentos sociais.

Os petistas tentam “assumir a liderança” do movimento em São Paulo, que consideram perigosamente fora do controle. Ao assumi-la, por intermédio dos movimentos sociais e lhe dar uma direção, pretendem mudar o eixo dos protestos. Observem que José Eduardo Cardozo também atacou a polícia. Ideli Salvatti, ministra das Relações Institucionais, defendeu “o direito à manifestação”, como se alguém estivesse a contestá-lo.

PCdoB
O PCdoB também está chamando a sua turma. Membros da Juventude Socialista já andaram aparecendo nos protestos. Na segunda, haverá uma espécie de adesão formal. Não se esqueçam de que o partido tem a vice-prefeita de São Paulo, Nádia Campeão.

Pusilanimidade
Haddad, diga-se, convidou o Movimento Passe Livre para um papinho. Quer ouvir as suas propostas. A menos que o grupo tenha mudado a agenda, sei qual é: transporte gratuito para todos. A turma tem uma máxima bucéfala: se é público, por que é pago? Entenderam? Eles fingem não entender que tudo, rigorosamente tudo, o que é é público é… pago! Alguém sempre arca com os custos.
É um caso evidente de pusilanimidade política. Ao receber pessoalmente os representantes do Passe Livre, o prefeito estará endossando seus métodos: depredação, quebra-quebra, coquetel molotov, porrada.

É preciso deixar claro: ao aderir aos protestos e tentar mudar a sua natureza, evidencia-se o caráter político-eleitoral dos protestos. O PT e o PCdoB enxergaram no episódio uma janela de oportunidades e decidiram tomar a rédea dos protestos, tirando-o da condução da turma do Passe Livre, PSOL e PCO. Ainda que, num dado momento, todos se entendam, têm lá suas diferenças de estratégia.

Violência
Os petistas graúdos passaram a considerar também que é fundamental que não haja violência na segunda-feira. Na fórmula de um deles, a manifestação só será bem-sucedida se for grande e pacífica e se concentrar suas palavras de ordem em favor da liberdade de expressão (como se ela estivesse sob ameaça), contra a violência policial e contra o governo Alckmin.

É assim que o PT faz política. É assim que sempre fez. E assim fará enquanto existir. Não é uma questão de escolha, mas de natureza.

Podem contar: na segunda, os petistas param São Paulo. E tentarão provar que é para o bem dos paulistanos.

Para encerrar
Ao saber que jornalistas haviam sido feridos nos confrontos dessa quinta, um petista de alto coturno quase soltou rojão. Anteviu uma reação corporativista, como de fato aconteceu, e comemorou: “Agora eles [os jornalistas] vêm pro nosso lado!”. Como se a maioria já não tivesse ido…

http://www.sabervencer.com.br/

Alberto Souza Filho disse...

PT ESTÁ SE LIXANDO PARA O POVO – ALVO DOS PROTESTOS NÃO É O AUMENTO DAS PASSAGENS
ATENÇÃO! PT VAI ENTRAR DE CABEÇA NA PANTOMIMA! APARELHOS DO PARTIDO DOS TRABALHADORES E ESTUDANTES ESTÃO LIBERADOS PARA IR ÀS RUAS NA SEGUNDA: A ORDEM É NÃO TOCAR NO VALOR DA TARIFA E SE MANIFESTAR CONTRA A PM E CONTRA ALCKMIN. MILHÕES DE PESSOAS SÃO VÍTIMAS DE UMA TRAMOIA ELEITORAL
Reinaldo Azevedo

Isto é uma informação, não uma interpretação. O PT liberou a tigrada para ir às ruas na segunda-feira. Os sindicatos de trabalhadores e estudantes dominados pelo partido estão sendo convocados a participar do que pretendem que seja uma megamanifestação, aí não mais contra a tarifa de ônibus, mas contra a Polícia Militar e contra o governo de São Paulo.

A ordem, aliás, é focar o menos possível no valor da passagem de ônibus.

Por óbvio, a questão pode arranhar a imagem de Fernando Haddad. Os petistas estão vendo na questão uma chance de ouro de realizar uma dupla operação:
a: diluir o mal-estar com a elevação da tarifa;
b: mudar definitivamente o sentido dos protestos.

O movimento é organizado, veio de cima. O próprio Haddad saiu na frente. Foi a primeira autoridade petista, já na noite de ontem, a criticar “a violência” da polícia. Ele o fez depois de conversar com a cúpula partidária. Gilberto Carvalho — que comanda a pasta que, na prática, “organiza” os índios — está sabendo de tudo. É ele quem faz a interlocução com os movimentos sociais.

Os petistas tentam “assumir a liderança” do movimento em São Paulo, que consideram perigosamente fora do controle. Ao assumi-la, por intermédio dos movimentos sociais e lhe dar uma direção, pretendem mudar o eixo dos protestos. Observem que José Eduardo Cardozo também atacou a polícia. Ideli Salvatti, ministra das Relações Institucionais, defendeu “o direito à manifestação”, como se alguém estivesse a contestá-lo.

PCdoB
O PCdoB também está chamando a sua turma. Membros da Juventude Socialista já andaram aparecendo nos protestos. Na segunda, haverá uma espécie de adesão formal. Não se esqueçam de que o partido tem a vice-prefeita de São Paulo, Nádia Campeão.

Pusilanimidade
Haddad, diga-se, convidou o Movimento Passe Livre para um papinho. Quer ouvir as suas propostas. A menos que o grupo tenha mudado a agenda, sei qual é: transporte gratuito para todos. A turma tem uma máxima bucéfala: se é público, por que é pago? Entenderam? Eles fingem não entender que tudo, rigorosamente tudo, o que é é público é… pago! Alguém sempre arca com os custos.
É um caso evidente de pusilanimidade política. Ao receber pessoalmente os representantes do Passe Livre, o prefeito estará endossando seus métodos: depredação, quebra-quebra, coquetel molotov, porrada.

É preciso deixar claro: ao aderir aos protestos e tentar mudar a sua natureza, evidencia-se o caráter político-eleitoral dos protestos. O PT e o PCdoB enxergaram no episódio uma janela de oportunidades e decidiram tomar a rédea dos protestos, tirando-o da condução da turma do Passe Livre, PSOL e PCO. Ainda que, num dado momento, todos se entendam, têm lá suas diferenças de estratégia.

Violência
Os petistas graúdos passaram a considerar também que é fundamental que não haja violência na segunda-feira. Na fórmula de um deles, a manifestação só será bem-sucedida se for grande e pacífica e se concentrar suas palavras de ordem em favor da liberdade de expressão (como se ela estivesse sob ameaça), contra a violência policial e contra o governo Alckmin.

É assim que o PT faz política. É assim que sempre fez. E assim fará enquanto existir. Não é uma questão de escolha, mas de natureza.

Podem contar: na segunda, os petistas param São Paulo. E tentarão provar que é para o bem dos paulistanos.

Para encerrar
Ao saber que jornalistas haviam sido feridos nos confrontos dessa quinta, um petista de alto coturno quase soltou rojão. Anteviu uma reação corporativista, como de fato aconteceu, e comemorou: “Agora eles [os jornalistas] vêm pro nosso lado!”. Como se a maioria já não tivesse ido…

http://www.sabervencer.com.br/

Antônio Rangel disse...

Falar de dentro do gabinete é muito fácil.
A ministra da Secretaria de Direitos Humanos (SDH) da Presidência da República, Maria do Rosário, criticou hoje (14/06) os excessos cometidos por manifestantes e policiais durante os protestos contra o aumento do preço das passagens de ônibus que ocorrem em várias capitais do país. Os confrontos mais violentos foram registrados nessa quinta-feira (13/06), em São Paulo, onde ao menos 5 mil pessoas se uniram à manifestação e 232 pessoas terminaram detidas, segundo a polícia.
“Não é justificável que manifestações utilizem métodos violentos, mas também não é justificável que manifestantes sejam reprimidos de forma violenta”, declarou a ministra à Agência Brasil, pedindo que os participantes de novos protestos, caso ocorram, evitem depredações ou atos de violência.

Fique tranquila Maria, eles não irão te ouvir.

A verdade é que a situação do Brasil está ficando caótica, hoje: os militares estão passivos e saciados com os empréstimos consignados; o aparelhamento do Estado brasileiro, é uma realidade; a infiltração de cubanos em áreas estratégicas, é fato consumado e agora com a baderna em SP, os petistas estão “rindo à toa”.

Dessa forma, eles conseguem desviar a atenção da mídia e, com isso, mensalão, Rosemary e o enorme processo de corrupção ocorrido durante o Governo Lula, descaradamente, é jogado para debaixo do tapete. Ai, sem que nem pra que, vem essa ministra de Direitos Humanos condenar os policiais paulistas por estarem defendendo o patrimônio público. Deveríamos perguntar a essa senhora se ela quer a polícia pedindo pelo amor de Deus para que a turba se comporte e/ou, para ser uma polícia boazinha, nas horas vagas apanhe dos manifestantes?
Ora! Senhores, alguém precisa dizer a Maria do Rosário que, para mostrar trabalho dentro desse Ministério inócuo, ela precisa se preocupar com a:
Forma animalesca como o presidiário é tratado;
Família dos mortos em assaltos;
Família dos policiais que perdem seus pais, assassinados por menores adultos, mas que na visão do governo são crianças eternamente, inocentes.

Ministra ali em SP, no meio daquela turba desorientada e manipulada, estão os interessados em desestabilizar o governo do partido adversário, porque a eles e só a eles interessa assumir a maior cidade do País.

Sugestão:

Vá lá ministra, fique no meio daquele povo tresloucado e, carinhosamente, pegue um megafone e peça: pessoal não faça isso, comporte-se!

Tenha paciência! Falar de longe, protegida pelas paredes e pela segurança do Ministério é muito fácil. Vai lá! Rosário mostre serviço no campo de batalha.
Ai o povo vai dizer que você é “o cão chupando manga”.

http://alfocunha.blogspot.com.br/2013/06/cubanos-infiltrados-em-areas-carentes-e.html